16 novembro, 2012

José Saramago, 90 anos!

Todos os textos seus são textos a não perder. Mas este é urgente:
"(... ) Como sempre aconteceu desde o começo do mundo e sempre continuará a acontecer até ao dia em que a espécie humana se extinga, a questão central de qualquer tipo de organização social humana, da qual todas as outras decorrem e para a qual, mais cedo ou mais tarde, todas acabam por concorrer, é a questão do poder, e o principal problema teórico e prático com que nos enfrentamos consistirá na necessidade de identificar quem o detém, de averiguar como chegou a ele, de verificar o uso que dele faz, os meios de que se serve e os fins a que aponta. Se a democracia fosse, de facto, o que com autêntica ou simulada ingenuidade continuamos a dizer que é, o governo do povo, pelo povo e para o povo, qualquer debate sobre a questão do poder deixaria de ter sentido, uma vez que, residindo o poder no povo, seria ao povo que competiria a sua administração, e, sendo o povo a administrar o poder, está claro que só o poderia fazer para o seu próprio bem e para a sua própria felicidade, pois a isso o estaria obrigando aquilo a que chamo, sem qualquer aspiração a um mínimo de rigor conceptual, a lei da conservação da vida. (...)"

11 comentários:

  1. Também recordei o escritor e o amigo.
    Que falta nos faz a continuidade da sua escrita!

    ResponderEliminar
  2. Interessantíssimo!
    Um texto intenso pela verdade que nos traz. Uma realidade desejada mais que urgente, penso. Mas logo me vem a necessidade anterior, fazer com que o povo queira saber deste fato. De que a democracia para ser democrática precisa dele, o povo.

    Um belo duelo.

    Bom, nem me apresentei...
    Desculpe-me
    sou R. Vieira lá do blog Diários desafios.

    Gostei imenso de estar aqui.

    Um abraço!

    ResponderEliminar
  3. Um texto que diz TUDO o que a democracia devia ser.
    Tão simples, tão verdadeiro!
    Faz-nos tanta falta esta lucidez.
    Parabéns José!

    Um beijinho amigo Rogério.

    ResponderEliminar
  4. Caro Rogério
    Para além de subscrever o texto e recordar os links, creio que lhe devo um agradecimento pelo que me deu a conhecer, fruto de um profundo trabalho que fez, especialmente depois do passamento do "nosso Zé". De facto e graças a si conheço melhor Saramago hoje.
    Abraço
    Rodrigo

    ResponderEliminar
  5. Hoje e sempre, Saramago!!!
    Beijinho, amigo.

    ResponderEliminar
  6. .

    .

    . re.tenho este texto como uma aspiração . e.ternizada no tempo .

    .

    .

    ResponderEliminar
  7. Como prometi lá no CR, amanhã, se o tempo o permitir, lá estarei na Casa dos Bicos com um exemplar de "A Jangada de Pedra"

    ResponderEliminar
  8. Realmente, este texto é urgente! Porque nos fala do que nos devemos questionar. Porque nos "acorda" para o que devemos refletir.
    "Se a democracia fosse...."
    Ah, pois!!!

    Bj
    BS

    ResponderEliminar

  9. O sentido de Democracia não é estático. E por isso ele deve ser sistematicamente discutido e ajustado a cada momento da história dos povos (para não dizer "re-inventado", como o fez, com precisão, Saramago)
    Sabemos, por conhecimento de causa, que na hora de decidir, os deputados se esquecem que é pelos eleitores que votam e não si próprios. A Democracia representativa implica verticalidade de carácter, sentido de estado e de serviço público que parece terem vindo a perder importância, na nossa realidade.

    ResponderEliminar