25 novembro, 2012

Poesia (uma por dia) - 3


INQUIETANTES DIAS SEM MEMÓRIA...
Inquietantes os dias sem memória
Como se o magma em que se despenham
Fosse apenas mar de sargaços.

E o sol que das cigarras tem o canto
Fossem pingos de chuva. Gelados.
E as bocas fossem apenas grito sufocado. E o cântico
Vazio das almas saturadas...

Ou fossem vãos desertos
Das portas...

Caminhamos injustiças como quem apascenta
Descuidados rumores da fome. E (des)esperamos
Que nesta auréola de frio escorra o sémen
Das horas. E germine a vibração do tempo...

Incertas as praças. Prenhes embora de couraçados.
E auroras faiscantes...

Lá longe o farol clama.
Na intermitência das dores. E dos relâmpagos...

17 comentários:

  1. Gosto muito!
    Uma qualquer resteazinha de bom senso sussurra-me que não pergunte quem usa o pseudónimo de Heretico... eu faço-lhe a vontade! :)

    ResponderEliminar
  2. Excelente poema

    no outro lado do cais

    onde o farol clama

    ResponderEliminar
  3. ... e assim com relâmpagos

    se ilumina o chão

    para caminharmos
    por sobre as águas

    ResponderEliminar
  4. de vez em quando o heretico sai com um poema cá para fora, sempre muito bom.

    mais uma escolha muito bem acertada.

    beijo

    ;)

    ResponderEliminar
  5. Só por um dia?
    Não se consegue mais?

    Com essa qualidade...
    Vá lá, força!

    ResponderEliminar
  6. Amigo,

    Belo poema
    deslumbrante poema
    linda forma de o escrever...de o dizer, de o sentir.

    Me fascinou, junto com sua presença e palavras nos "7degraus".

    Por lá, vou procurar responder!

    Abraço, Maria Luísa

    ResponderEliminar
  7. tudo lindo e profundo
    detive me no farol - que recebe as tempestades e que as faz luzes trementes
    não mais tão tementes

    adorei, Rogério.

    Barbara.

    ResponderEliminar
  8. envie minhas lembranças ao "mar arável"

    por favor.

    Barbara.

    ResponderEliminar
  9. Muito bom! «Caminhamos injustiças como quem apascenta
    Descuidados rumores da fome.» - Muito intenso. E bem duro.

    Muito boas escolhas, Rogerito.

    Bom domingo.

    ResponderEliminar
  10. Muito belo, inquietante e algo desencantado!
    Felizmente, lá longe, ouve-se o grito do farol... A luz dos relâmpagos iluminará o caminho que nos conduzirá a bom porto.
    Parabéns ao autor e obrigada a si, Rogério!

    Um dia é muito pouco! Não sei o que aconteceu, mas eu não dei pela passagem do poema nº 2.

    Beijinhos.

    ResponderEliminar
  11. A luz que se faz anunciar neste belo poema vai iluminar-nos a rota.

    Abraço

    ResponderEliminar

  12. Desencanto:"E o cântico
    Vazio das almas saturadas...
    "Incertas as praças" nas raízes do porvir. E, apesar disso, apesar dos "vãos desertos
    Das portas"
    as portas entreabertas deixando passar a claridade de um "farol que clama".

    Um poema a confirmar a excelência de um dizer atual, atuante...

    Um beijo

    ResponderEliminar
  13. O farol a aguardar, aguardar...
    As portas abertas, estupidamente desertas.
    O mar de sargaços, sufucado.
    O barco a navegar em águas serenas, plenas.
    Os relâmpagos iluminam o caminho de quem caminha sobre as àguas - Buda.(sozinho)
    O vazio das almas saturadas...
    E um "novo" cântico...

    Muito triste e comovente, como a história de uma vida que leio de uma forma tão transparente.
    (mas não deixa de ser um belo poema)

    ResponderEliminar
  14. grato, meu caro Rogério.

    sensibiza-me a tua gentileza e a tua amizade.

    privilégio meu ver o meu "poeminha" publicado no teu blog. honra-me esse facto.

    forte abraço

    ResponderEliminar
  15. uma boa escolha de um senhor Poeta

    Beijo

    ResponderEliminar
  16. Parabéns ao autor, que caminha com destreza através dos versos. E a você, pela escolha, sem dúvida baseada, também, no conteúdo do poema. Abraços

    ResponderEliminar