26 novembro, 2012

Poesia (uma por dia) - 4


POEMA A DUAS MÃOS
(Semear no mar, colher em terra)
O som das gaivotas desfiando a tarde
O fundo do horizonte a rendilhar
A névoa que se avista
O delírio do mar em convulsões de marés
O desvario da imaginação
O sonho que os olhos do poeta pintam
Sonho sem o ser?
Vá se lá saber...se nem ele sabe.

Sabes, poeta?
Ainda te espero, a declamar
Versos resgatados das areias e
levantados do chão.

Rogério Pereira / Piedade Araújo Sol
(sobre um comentário semeado em "Esta noite" )