24 novembro, 2012

Poesia (uma por dia) - 2


EM PLENO VOO POR UM GRÃO DE AREIA
Não são únicos os caminhos

mesmo quando se cumpre
a rota dos sonhos
e os barcos se despem
de destinos por sobre as águas

Já tínhamos visto longe
a céu aberto
palavras íntegras a respirar
por guelras
pétalas a despontar nos desertos
mares a gorjear
na folhagem das escarpas
noites claras
ao som do relógio de pêndulo

Não são únicos os caminhos

mesmo quando andamos
a sibilar no vento
desapercebidos do pássaro
que renasce em pleno voo

por um grão de areia

Eufrázio Filipe / Mar Arável

13 comentários:

Gisa disse...

Caminhos múltiplos. Resta-nos a escolha. Que seja a melhor. Um grande bj querido amigo

AFRODITE disse...


É muito difícil comentar poesia... e muito mais quando estamos perante tal riqueza metafórica.

Gostei muito.
Parabéns ao Mar Arável e a ti por partilhares.


Beijinho e bom fim de semana
(^^)

Maria disse...

Há metáforas e metáforas.
Este poeta que respira, se necessário, por guelras, é um caso muito especial...

:)

Ana Martins disse...

Este, é daqueles poemas que a partilha é obrigatória, Belíssimo!

Bom fim de semana e um beijinho,
Ana Martins

luís rodrigues coelho Coelho disse...

Ao ver a imagem recordei a canção do Zeca Afonso - Eles comem tudo
Ao povo só resta a esperança e...

Ei-los que partem, novos e velhos, buscando a sorte...

As metáforas são fortes.

© Piedade Araújo Sol disse...

que dizer da poesia do Eufrázio? apenas acrescento que é um Poeta por inteiro.
Uma boa escolha com uma imagem tb muito boa!
beijo

Isa GT disse...

Se nunca consegui comentar poesia, muito menos será hoje porque chuva e gripe conseguem "encravar" qualquer sensibilidade para a poesia e só vem à superfície, o meu absoluto e velho pragmatismo ;)

Bjos

Lídia Borges disse...


"Não são únicos os caminhos"

Por aí é que vamos!...

Lídia

jrd disse...

Os caminhos como os carreiros são muitos. Havemos de chegar, grão a grão, passo a passo.
Um belo poema.

Abraço

Graça Sampaio disse...

«Sigo» os poemas do Mar arável - difíceis que eu sei lá! Mas fortes, a rasgar. É o caso!

Mar Arável disse...


Abraço

Virgínia do Carmo disse...

Sempre tão grande, o Eufrázio. É como se um simples grão de areia, de repente, pudesse encher o mundo.

Grata pela passagem e pelas palavras no meu lugar.

Um abraço.

Maria João Brito de Sousa disse...

Não entendo como nem porque me "escapou" este excelente poema do Mar Arável... mas não escapou a esta pequena revisão! Gostei muito!

Abraço!