02 novembro, 2012

De cada um o que puder dar, recebendo em troca tudo o que precisa - 1 (Tamara/Odemira)

Existe a utopia, sabia? Mais que uma, até... falarei das que me foram dadas a conhecer... e esta é a primeira...  por ser caseira...
Atraídos pela natureza, fartos do asfalto e do tal labirinto que conduz a um lugar desesperado, os habitantes de Tamara (Odmira) escolheram viver numa comunidade que, caso se venha a alargar, vai colocar problemas tramados ao ministro Gaspar... 
...dá que pensar viver numa comunidade assim... não vou adjectivar. Para já, apenas dou a conhecer (a quem não conhecia). As imagens não foram escolhidas ao acaso da sua beleza (e são muitas as que são belas) mas porque merecem reflexão. No dia em que se acabar o petróleo barato... que vamos fazer, então? 
Admitindo que ir para Tamara é um acto voluntário, quase impossível para quem anda perdido neste labirinto,  sobra a questão: "Vamos ter de nos habituar a outra forma de vida?"

Sim ou não?

Próximos posts: Volos (Grécia): Marinaleda (Espanha); Cuba 

9 comentários:

Fernanda disse...

Tinha ouvido um extracto apenas. Agora sim, ouvi tudo e só espero que se espalhe cada vez mais e mais este conceito.
Obrigada Rogério.
Beijinho

Mar Arável disse...

... belas imagens...

na convicção que os gaspares

não terão futuro

Quanto ao petróleo
deve ser reservado
para boas ocasiões

A coisa está a aquecer

Fada do bosque disse...

Olá Rogério,

Adorei a reportagem! Estava a fazer-me aflição a falta de animais, mas vi os cavalos e fiquei mais satisfeita. A permacultura necessita da colaboração dos animais, mas sem o sofrimento deles, claro! eu não dispenso a companhia deles! :)
Tamera é um sítio que eu gostaria que a minha filha integrasse, ela que adora animais e quer dedicar a sua vida ao cavalo.

A parte de transformação da terra seca e estéril em terra rica e produtiva fez-me lembrar o oásis que Sepp Olzer e a sua equipa "construíram" na Jordânia. Transformaram literalmente o deserto num ecossistema que se basta a si próprio. Pelos vistos não foi só Jesus que fez milagres, como dizem,

Adorei a fundadora, da qual não me lembro o nome, mas adorei mesmo ouvi-la falar.

Obrigada Rogério por este bocadito. Talvez nós, que nos dedicamos à reciclagem um dia tomemos rumo até Tamera... :)

Graça Sampaio disse...

Não me assuste mais que assustadinha já eu ando!... (Penso muitas vezes que bem, bem fez o Antero de Quental!)

Lídia Borges disse...


Li, há pouco sobre uma ideia idêntica na Grécia e senti que deve ser muito bom viver sem que seja "enjaulado".
A Humanidade percorreu muito caminho e vai acabar por descobrir o ponto de partida, como um círculo que se fecha.

Mas toda a mudança implica dor.

Lídia

São disse...

Amigo, a mudança vem aí...não duvides!

Bons sonhos.

Flor de Jasmim disse...

A esperânça de uma reviravolta está comigo.
Bom fim de semana meu amigo

Beijinho e uma flor

Mel de Carvalho disse...

a cada um, segundo a sua necessidade. e Tamera é, sem margens a dúvidas, a prova de que, a terra pode ser sempre produtiva, que o ser humano necessita, em absoluto, de paz, de dignidade e de sonho. sem este último, creio impossível a vida.

reflectir, agir!

bem haja
fraterno abraço
Mel

Fê-blue bird disse...

Não nego que é preciso coragem, mas os benefícios são tentadores.
E eu que adoro o Alentejo e me sinto sufocar neste asfalto...

beijinhos e bom fim de semana