06 abril, 2013

Euro, aí está a discussão... enquanto o "governo anda às aranhas"(1)


Pronto, acho que é mesmo irreversível: a discussão veio para ficar. Muitos chegarão tarde ao debate ou tomarão posições de rejeição liminar, mandando para cima da questão os fantasmas que tiverem mais à mão. Outros, entrarão (irão ter de entrar) na discussão com o ónus de ter de analisar o corte com a Europa, sentindo isso como o corte com o seu próprio projecto. «“A Europa connosco”, as ilusões sobre a construção europeia como uma zona de solidariedade e prosperidade sem par fazem parte da (sua) matriz genética». Nem digo de quem estou a falar...

Há gente que virá trazer para cima das agendas o "DEBATE NECESSÁRIO". Sérgio Ribeiro dizia mais ou menos isso e citava, entre outros, Nicolau Santos, que hoje escreve um artigo que deve ser lido e do qual reescrevo, por não estar disponível on-line, a sua parte final:
«Precisamos de ser o bom aluno que confronta o professor, que o questiona, que lhe diz que não concorda com ele. E ou fazemos isso isso para que a nossa permanência no euro não seja um calvário sem esperança nem futuro ou então o melhor mesmo é arriscar a saída da moeda única.»
Mas há quem, argumente, que o inevitável é sair mesmo. Entre outras coisas, fomos o "mau aluno" tempo demais...



continua