27 abril, 2013

O Congresso do PS, o post a ver se ele não esquece e a eventualidade (improvável) de aparecer o "Cisne Negro"

imagem editada por "Oeiras Local"
A memória é selectiva e há quem se limite a recordar, do todo, a parte...

Decorre o congresso do PS e não me quero antecipar em comentários apressados. Mas não é precipitado perceber que há uma visão redutora quando se ouve, da data, pouco mais do que festivas, mas justificadas, referências "à restauração das liberdades" como únicos valores de Abril.  Essa visão limitada que se passa não só não é inocente como é ambígua.  Vejamos, no final, quais os valores de Abril que sobrevivem depois de Santa Maria da Feira. Uma coisa já foi adiantada: será Seguro, e não o Congresso, a responder à tal carta. Mas aguardemos. Aguardemos por um Cisne Negro... 
"O meu cisne negro não é um pássaro, mas um evento com três características: 1ª) altamente inesperado; 2ª) tem grande impacto; e 3ª) depois de acontecer, procuramos dar uma explicação para fazê-lo parecer o menos aleatório e o mais previsível.
(...)
Ninguém poderá saber quando um cisne negro irá surgir, mas o fundamental é a pessoa não levar tão a sério o seu planejamento de vida. As coisas podem mudar quando a pessoa menos espera. O ´stress test´, um dos modelos de gerenciamento de risco, avalia o impacto já ocorrido e não o impacto a ocorrer. As variáveis utilizadas são tiradas do passado."
Newton Freitas, in "A Teoria do Cisne Negro"