02 janeiro, 2013

Cavaco Silva e o "nó górdio", do qual ninguém nos é capaz de livrar... até que nos livremos dele...


O DN, na página 3, sob este titulo, escrevia as reacções. na coluna ao lado, dizia o Viriato: "... o Presidente da República, na sua Mensagem de Ano Novo, recomendou, no meio da tormenta nacional e europeia, a Nação inteira à graça de uma intervenção providencial..." e terminava "...Com esta mensagem, a quilha já bateu no fundo."

E agora o meu pensamento, avinagrado e profundo: 
"É meu sentir que Passos Coelho, Portas, Seguro e Cavaco, terão subido cadeiras, comido passas ou subido escadas, com o desejo comum de, por não saberem (ou quererem) desatar o "nó górdio" em que estamos metidos, que o faça alguém divino. Como não sou supersticioso e a minha religião é terrena, acho que o tal nó será desatado quando o povo resolver entrar em cena."
 disse, para memória futura