10 janeiro, 2013

Poesia (uma por dia) - 25


I - meia lua e o pássaro
Nesse dia ao sair de casa o rapaz percebeu que a rua não era a mesma. Ficou uns minutos parado, as mãos nos bolsos, os olhos entreabertos, os ouvidos à escuta. Sentiu no ar um cheiro a sementes de sésamo queimadas e não havia vento. Não reconheceu mais nada.
Lembrou-se que aquele ano não tinha começado exactamente como os outros. O pai resmungou, estou desiludido. A mãe pegou na mochila do irmão mais velho, meteu-a na máquina da roupa no programa da água quente para tirar as nódoas, a mochila encolheu. A mãe disse, não faz mal tu também és mais pequeno, e coseu etiquetas a tapar os buracos. Ele pensou, vão gozar comigo, mas não ligou muito a esse facto, e agora que via a professora de português por quem ele estava apaixonado desde o 5º ano, cada vez mais distante, ainda menos. A turma tinha tantos alunos, que no exato momento em que os professores terminavam a chamada, a campainha tocava para o intervalo. Deste modo, aprendiam no recreio uns com os outros e com a matula do bairro XZY que entrava pelos buracos que já não tinham rede. Os Bairros em Processo de Exclusão Instalada eram tantos, a quem ninguém vivo e muito menos morto desejava ver o seu nome associado. Daí a combinação das letras do alfabeto. Claro que a designação atribuída a estes bairros era perfeitamente ridícula e contraditória, pois um processo significa um projecto  um trajecto  e instalada, significa que já não há volta a dar, acomodada.
Mas ele não era bom aluno. Recusava-se a escrever nas paredes e a roubar bicicletas. Era um rapaz estranho, parecia estar sempre distraído, ausente, do outro lado das coisas. No entanto entendia a geometria das casas e das ruas, salvava os gatos assustados no alto das árvores, tratava das feridas aos cães vadios, plantava junquilhos nos buracos da calçada. De manhã quando saía para a escola com o seu fato de marinheiro antiquado, todos lhe diziam bom dia e ele guardava no bolso azul turquesa os recados que tinha que fazer à mãe.
Foi então que apareceu a correr, o pássaro. As patas bem firmes, as pernas longuíssimas, as penas no alto da cabeça a esvoaçar e gritava, não fiques aí parado, não vês tanto desolhar? vem comigo. E assim correram os dois durante vinte e cinco minutos, o rapaz cansado pensou que andava a exagerar nas bolachas e o pássaro a deitar alpista pela boca.
Meia Lua chama-se o rapaz e encontrou o pássaro das histórias.
Desolhar é a terra do povo do outro lado das vozes.

Manuela Baptista / Histórias Com Mar Ao Fundo