03 janeiro, 2013

Se eu pintasse... (2)

.
Auto Retrato - Maria João Brito de Sousa
"A gente não faz amigos, reconhece-os." disse Vinicius e é verdade. 
Aconteceu com a João. Não a conhecendo já a conhecia. Chamam-lhe química, empatia e mais não sei o quê quando nos sentimos ligados sem nunca antes termos estado... começou sem que me lembre como tenha começado. Ela leu-me. Eu li-a. Lia-a nas "pekenasutopias" depois em outros lados. Conhecemos-nos a meu convite e fomos onde ambos gostámos de ir e ouvimos falar de coisas solidárias, de vidas dedicadas, de luta, de resistência e de esperança. Hoje ofereceu-me um poema e sugeriu que eu me iniciasse em algo que um dia faço. Nem que seja um simples traço...
------INICIAÇÃO À PINTURA-----
(Em decassílabo quase heróico)

“Pinte-se o céu da cor que te aprouver,
Faça-se luz no traço em movimento,
Cozinhe-se outro mundo, a fogo lento,
E engendre, o coração, quanto puder!

Reinvente, cada homem e mulher,
A génese adequada a cada intento
Roubando a tempestade ao próprio vento
E a centelha de cor que se acender!

Depois… é uma dança, um medir forças
Dos braços que se movem como corças
Sobre a nudez da tela ou papelão…

E não se pára enquanto o fim não chega!”
Relembro enquanto a força se me nega
E a cor se me desfaz num turbilhão…

Maria João Brito de Sousa