19 janeiro, 2013

Álvaro Cunhal, "Porque nenhum de nós anda sozinho / E até mortos vão a nosso lado.” - 8


A imagem acima dá conta de que foi criado um espaço para fazer o mesmo que eu faço. Não faz sentido fazer coisas repetidas e, quem está lá, deu provas de saber fazer melhor do que eu faria o que eu me propus fazer. Ainda para mais, é um trabalho colectivo. Contudo, não abandonarei a ideia de ir, aqui, dando conta do que ache por bem escrever ou reproduzir. Fá-lo-ei em sintonia com o outro lado, postando coisas que julgo merecerem a atenção, ou me emocionem, ou ache dever sublinhar. Não quero desfazer-me desse dever. Não quero perder esse prazer...

É por tudo isso que este outro sitio é de visita obrigatória!



O video refere-se a um ponto alto, dos muitos ocorridos na tarde de hoje
(tarde que aparece bem reportada, onde eu não esperava nada...)

2 comentários:

Lídia Borges disse...


Um tema ( a luta de classes) que parece ter sido levado ao esvaziamento, criando-se com isso a ilusão de vivermos numa sociedade justa e avançada que dispensa a expressão e o que ela significa. Mas não!
Gostei da metáfora da "luta de cães".

JP disse...

Uma vida inteira. Um ideal.

Cunhal será sempre daquelas figuras imortais que os livros de História não deixarão morrer.

Abraço