03 janeiro, 2013

Se eu pintasse...

Já há alguns largos meses referi ter reprodução desta pintura, comentando não saber o porquê de lhe ter estima. Hoje dou comigo a deambular por outras obras do autor e a meio do percurso veio-me uma resposta: talvez algures exista um paraíso, talvez... e a vontade de quem quer que ele à viva força exista produz a maravilha de ele pintar a realidade como tal. Sempre que se quer muito uma coisa, tendemos a inventá-la, o que não é nada recomendável...
Ah, e invejei tremendamente a arte do pintor. Se eu pintasse... 


NOTA DE ADITAMENTO À EDIÇÃO: Transcrevo de um excelente estudo sobre a obra de Gouguin o que realmente sinto: 
"Todo artista busca seu Taiti, mas apenas Gauguin o encontrou e ninguém mais poderá encontrá-lo enquanto tudo aqui não for transformado, de modo que cada um possa criar em qualquer parte seu próprio Taiti imaginário." 
Georg Lukács (ler aqui)

11 comentários:

Maria disse...

As cores quentes de Gauguin...

São disse...

Bela a arte deste pintor...

Abraços

Quanto a Cavaco e Passos e Borges e Catroga e Gaspar e RElvas e Macedo e toda essa pandilha ...se o cinismo e a hipocrisia pagassem impostos , não teríamos problema de défice nem de dívida nem de nada desse género!!!

Tite disse...

E ainda tenho outra explicação.
Será que não és a encarnação do Gauguin nesta vida? Tenta pintar a ver se o seu traço tão característico é mantido e já agora ruma também ao Taiti em demanda do paraíso pretendido.

Boa????

Maria João Brito de Sousa disse...

PRIMEIRA LIÇÃO

(Em decassílabo quase heróico)

“Pinte-se o céu da cor que te aprouver,
Faça-se luz na cor do movimento,
Cozinhe-se outro mundo, a fogo lento,
E engendre, o coração, quanto puder!

Reinvente, cada homem e mulher,
A génese adequada a cada intento
Roubando, à tempestade, o próprio vento
E a centelha, a brilhar, que se acender!

Depois… é uma dança, um medir forças
Dos braços que se movem como corças
Sobre uma tela, tábua ou papelão…

E não se pára enquanto o fim não chega!”
- Descrevo enquanto a força se me nega
E a cor se me desfaz em turbilhão…

Maria João Brito de Sousa – 03.12.2012 – 14.46h

Aqui vai, Rogério, ainda sem revisão nem correcção, a tua primeira aula… absolutamente incontível!!! Rsrsrsrs…

jrd disse...

Se tu pintasses como escreves serias um pintor emérito.

Janita disse...

Se o Rogério pintasse, quiçá muitas dessas telas de Paul Gauguin seriam de sua autoria - noutra encarnação, nesta não- tal o seu amor por África, mais propriamente por Angola!

Acertei?

Beijos.

Fê blue bird disse...

Amigo Rogério, a pintura é o paraíso da imaginação.
Timidamente pinto e imagino que sou uma grande pintora... refugio-me nesse sonho lindo.
Quem sabe se não pode descobrir em si mais esse talento.

beijinho

Maria João Brito de Sousa disse...

Aqui vai, já revisto! A ligação está indescritivel! Nem no meu mural me deixa publicar!

------INICIAÇÃO À PINTURA-----

(Em decassílabo quase heróico)

“Pinte-se o céu da cor que te aprouver,
Faça-se luz no traço em movimento,
Cozinhe-se outro mundo, a fogo lento,
E engendre, o coração, quanto puder!

Reinvente, cada homem e mulher,
A génese adequada a cada intento
Roubando a tempestade ao próprio vento
E a centelha de cor que se acender!

Depois… é uma dança, um medir forças
Dos braços que se movem como corças
Sobre a nudez da tela ou papelão…

E não se pára enquanto o fim não chega!”
Relembro enquanto a força se me nega
E a cor se me desfaz num turbilhão…


Maria João Brito de Sousa – 03.12.2012 – 14.46h

Ana Tapadas disse...

Boa noite, amigo.
Finalmente estou de volta...

Também gosto muito de Gauguin, como de pintura em geral. A minha falta de jeito faz-me admirar ainda mais as artes plásticas.

O meu Taiti imaginário também existe, claro!

Abraço

O Puma disse...

Não desistas da ideia

Tenta
... e se não for na tela

semeia nos jardins

Sandra Subtil disse...

Mas o Rogério pinta! Pinta com sabedoria a vida dos que o rodeiam.
Beijinho e bom ano