20 janeiro, 2013

Geração sentada, conversando na esplanada - 24 ( tábua de salvação)

(Ler conversa anterior) 
Procurei desesperadamente o texto de Gonçalo M Tavares (Noticias Magazine), não o tendo encontrado dei-me ao trabalho de o introduzir eu próprio: 
- No fundo, viver é isto: segunda tédio, terça tédio, quarta tédio, quinta tédio, sexta tédio, sábado tédio, domingo tédio, outra segunda tédio, terça tédio, quarta prazer das cinco horas às seis, depois de novo tédio e tédio e sexta tédio e sábado tédio e domingo tédio e se tiveres muita, muita sorte terás até ao fim dos teus dias dias, a este ritmo, tédio após tédio e, de vez em quando, umas horas de prazer.
- Uf, se tiveres sorte, portanto, serás um mortal entediado.
- Ser um mortal entediado significa que conseguiste contornar o acidente. É isso, entende Excelência? 
Gonçalo M. Tavares 
Foto amavelmente cedida por Fernando Santos (chana) 

Esperei, esperei, esperei e não apareceu ninguém na esplanada. "É o mau tempo, pensei", como a dar explicação à ausência. Levantei-me e fui andando, andando, andando até me perder por caminhos por onde nunca tinha andado, fora da vista de quem passa e do alcance de qualquer janela. Estava só, só eu. Por detrás de uma vereda dei com o que não suspeitava ver: um monte de lixo. Uma lixeira a céu aberto com um sem número de coisas usadas, estragadas ou destruídas. Entre elas encontrei uma tábua. Olhei-a, tinha na textura o desenho da alma da árvore a que pertencera a tábua. Era a minha tábua de salvação... Peguei nela decidido a enfrentar qualquer acidente (ou susto). 

Conclusão: num qualquer dia que julgue perdido saia do tédio, perca-se por caminhos não andados e em sítios inesperados poderá encontrar a sua tábua de salvação. É um conselho, não é uma opinião.
___________________________________

PS (colocado depois de editado e de ter registado alguns comentários) - Escreve o Gonçalo:
"...acidente é aquilo que introduz a dor no que se previa ser prazer ou pelo menos tédio - Sentimos saudades do tédio nos momentos de acidente"

18 comentários:

Rosa dos Ventos disse...

Neste fim de semana de vendaval não encontraremos tábuas de salvação mas árvores inteiras!
Nem houve tédio mas desespero de milhares sem luz e sem água!
Ninguém se atreveu a esplanar! :-((

Abraço

Rogério Pereira disse...

Rosa,
sabe, até por ser dos Ventos, que o que aconteceu foi o incontornável acidente. Segunda feira volta a pasmaceira... (para os entediados, coitados)

jrd disse...

Falas-me de tédio, a mim que estive 36 horas sem electricidade, sem banda larga e sem rede móvel.
Se não fosse a reserva de velas andava a dar cabeçadas nas paredes.

Rogério Pereira disse...

JRD,

Meu caro, assim escreve o Gonçalo:

"...acidente é aquilo que introduz a dor no que se previa ser prazer ou pelo menos tédio - Sentimos saudades do tédio nos momentos de acidente"

Eu escrevo, os momentos de acidente são os que menos servem para procurar uma tábua de salvação...

Lídia Borges disse...


Um conselho a seguir, sem dúvida.

Não fazer nada é abrigar o tédio como quem, inconscientemente, dá abrigo a um ladrão.
E lá se vai a "tábua de salvação".

Lídia

quem és, que fazes aqui? disse...


Perdida... já ando. Tábua de salvação? Se a encontro lá se contabiliza uma árvore a menos.

E estão para abater árvores... com alma e quase com a nossa idade. Encontrou uma lixeira a céu aberto? Se não saiu do país, não admira!!!

Beijo

Laura

Carlos Barbosa de Oliveira disse...

Quem se deixar dominar pelo tédio, nunca encontrará a tábua de salvação...

Carlos Barbosa de Oliveira disse...

Volto porque quero aplaudir o comentário da Laura, que ainda não lera quando comentei. Bravo!

Rogério Pereira disse...

Laura, visitou a lixeira? Está no link ao blogue do Fernando Santos...

Carlos, nada do que escrevi foi por acaso

Janita disse...

Nos momentos de grande aflição até do infrutífero tédio se podem sentir saudades...
Quanto às tábuas de salvação, se se tiver que abater uma árvore para salvar milhões de vidas...porque não?

Beijos.

Borderline Transtorno de Personalidade disse...

Super interessante as suas palavras. Gostei bastante! Um grande abraço.

Maria João Brito de Sousa disse...

É curioso... saudades, não tive - raramente as tenho - mas lembro-me de ter tido um ou outro momento de tédio, quando era mais nova. Agora a coisa mais próxima do tédio por que vou passando, são as horas de espera nas salas e corredores do hospital... mesmo assim, penso que não o vivencio exactamente como tédio... penso que o aguento estoicamente como um daqueles inevitáveis passageiros pelos quais todos passamos de vez em quando... e amanhã é dia de passar por isso :(

Preparo-me para ser "estóica"... uma estóica que tem tempo para se preparar não o deve ser... :)


Abraço grande!

Fê Blue bird disse...

Ando à deriva num mar de tédio e não encontro nenhuma tábua de salvação.
Tenho que procurar na lixeira e perder-me.


beijinho


Ana Tapadas disse...

Tédio é que não, meu amigo! Claro que não e nunca...cada dia é uma descoberta e, agora, um caminho de profundo esforço, mas havemos de segurar bem a «tábua»...


Beijinho e boa semana.

jrd disse...

Meu Caro,
Convenceste-me!
Acabou-se o tédio por aqui já estou a salvo...

JP disse...

Por caminhos não andados e em sítios inesperados.... só mesmo aí poderá encontrar a sua tábua de salvação.

Por caminhos conhecidos e sítios iguais, já vimos que não. Só mesmo outro grande temporal....

Abraço

Fernando Santos (Chana) disse...

Quem planta uma árvore Planta uma esperança.
~Lucy Larcom

Um abraço

José disse...

O inicio do seu texto, fez-me o tempo que os patrões pagavam de semana a semana,e o pagamento era feito ao sábado. E lá no lugar onde eu nasci havia um homem que nunca trabalhava, e dizia ele assim, todos os dias é Domingo, só sábado é que não.
Aquele não trabalhava mas ainda falava, e agora parece que está tudo vivendo à grande e à francesa, mesmo sem comida na mesa.

Ainda estão aqui uma tábuas.

Abraço,
José.