23 janeiro, 2014

De Bilderberg a Davos e o futuro para que estamos guardados


As imagens, por mais expressivas, não valem mais que mil palavras e por isso o texto retirado da primeira página do Público é indispensável à leitura da imagem acima. Entre outras (muitas) coisas, ambas retratam operações bem sucedidas que concorrem para ilustrar que "Portugal" (com aspas) está a atravessar um bom momento: Uma é o resultado de operação inserida no label "... Portugal vende-se bem"; outra é o resultado de um arremedo de reengenharia financeira (muito oportuna e) porreira, em que alterações de regras contabilísticas provocam milagres na redução do déficit. O presidente do Goldman Sachs, entre Bilderberg e Davos, move-se bem e diz coisas com o fundamento que lhe dá o poder de as dizer: "...o pior da crise já está para trás", disse.

Repito: Haverá uma acalmia como há muito não havia. Depois tudo voltará à mesma. E que não se pense que se vier outra gente será diferente. (atenção Alexandra, é aqui que entra o Octávio)