12 janeiro, 2014

Geração sentada, conversando na esplanada - 48 (... sobrevivem apenas os homens que produzem sentimentos neutros?)

(ler conversa anterior)
 "Em tempos, morreu a mulher que sabia fazer tristeza e agora morreu o homem que sabia fazer a alegria"
Gonçalo M. Tavares, in Noticias Magazine

A esplanada estava por nossa conta. Só Eu, o engenheiro e o seu cão rafeiro, Minha Alma estava como se não estivesse e embora Meu Contrário sempre me acompanhe mantinha-se alheado, distante. "Vai-me dizer que sobrevivem apenas os homens que sabem produzir sentimentos neutros?" - começou o engenheiro e eu disse, convicto, "Sobrevivem muitos outros... os que sabem fazer sentimentos depressivos..." O velho ficou pensativo, mas estava preso à leitura de Gonçalo:
- "Eusébio deixou herdeiros... O Benfica ganhou com alegria!"
- "O futebol é a coisa mais importante de entre as coisas pouco importantes com que nos devemos preocupar"
- "Minimiza coisas de que o povo gosta?"
Minha Alma, voltou como se só nesse momento chegasse e cortou a conversa 
- "Esse gostar é um sentimento neutro!, não muda nada... e não mudar nada é um seguro caminho para um sentimento depressivo. Depois da festa, a depressão regressa!"
O cão, que tudo percebe das palavras das almas, colocou aquele olhar com que os cães antecipam uma corrida em perseguição do pombo que acabara de pousar...

(Não posso dizer que prima pela coerência, vi o jogo do principio ao fim!)