18 novembro, 2010

"Caminhos do Meu Navegar", a ler amanhã

Amanhã continuarei a editar a continuação do meu primeiro capitulo, e assim acontecerá por enquanto, às 6ªs feiras. Para o pouco já publicado, são para mim relevantes as opiniões que vou colhendo. De entre os muitos comentários, mails e até telefonemas de incentivo, um me tocou particularmente. A sua autora, a Barbara, criou uma personagem para o meu "Caminhar..." e deu-me disso conta, assim:

"Estou junto a si. Não exactamente no barco. Nem no mar nem na terra. Em parte alguma visível. Pois está claro prá mim, que nas entrelinhas do teu romance - há uma história bem mais profunda e sem pátria, sem porto e sem data. É essa relação fantástica entre você e o seu contrário. A alma, com certeza modestamente co-autora. Ela é a tua deusa da guerra - de todas as guerras. Com muitos nomes. Eis aqui o Rogério, navegante em todos os sentidos. Com uma rosa dos ventos tatuada. Ao mar - que o mar tem dona.
obs: a tónica dos meus comentários será esta - a desafiar-te a mando da dona do mar."

Apropriei-me da dona do mar. Apenas lhe introduzo uma pequena alteração: não será "dona", será "senhora". "Senhora do Mar". A banda sonora foi feita à medida da minha vida, quando navegava em águas negras: