18 novembro, 2010

Volto ao tema do "bullying": como formar gente agressiva, em 10 lições

O facto de o meu post de ontem ter merecido comentários interessantes, nomeadamente a reconhecer a complexidade do tema, cá vai mais um texto, sem repetir tudo o que, em Março, escrevi sobre este assunto:
COMO FORMAR GENTE AGRESSIVA E VIOLENTA

1. Comece, desde a infância, dando ao seu filho tudo o que ele pede. Assim crescerá convencido de que o mundo inteiro lhe pertence.
2. Não lhe dê qualquer educação moral. Espere que chegue à maioridade para que possa decidir livremente.
3. Quando disser palavrões, ria-se. Isto o animará a fazer coisas ainda mais "graciosas".
4. Não o contrarie nunca, nem lhe diga que está mal algo que faça. Poderia criar-lhe um complexo de culpa.
5. Arrume tudo o que ele deixa espalhado: livros, sapatos, roupa, brinquedos. Assim se acostumará a atirar a responsabilidade para os outros.
6. Deixe-o ler tudo o que lhe caia nas mãos e ver todos os programas de televisão e navegar na net sem fazer a minha ideia por onde "viaja". Cuide de que os seus utensílios - pratos, talheres....- estão bem esterilizados. Porém, deixe que a sua mente se carregue de lixo. Assim aprenderá a considerar valioso o que só é porcaria.
7. Discuta e critique o seu par em sua presença. Assim, não ficará surpreendido nem sofrerá demasiado quando a sua família ficar para sempre destroçada.
8. Dê-lhe todo o dinheiro que quiser gastar, não vá ele suspeitar que para dispor de dinheiro é necessário esforçar-se e trabalhar.
9. Satisfaça todos os seus desejos, apetites, comodidades e prazeres. O sacrifico e a austeridade poderiam produzir frustrações.
10. Ponha-se ao seu lado em qualquer conflito que tenha com os seus professores, vizinhos e amigos. Pense que todos eles têm preconceitos contra o seu filho e que de verdade querem aborrecê-lo.
(Retirado daqui)

NOTA: Não está provado que daqui saia um vândalo, pode-se dar o caso de se estar a produzir uma figura pública de grande relevância nacional, na área dos negócios ou outra...

18 comentários:

  1. Bom dia
    Um tema demasiado importante para todos os pais e educadores, porem aqueles que deviam lê-lo passam ao lado e pouco se importam com esses comportamentos.

    Não é difícil ter filhos. Difícil é educá-los.

    Nesta sociedade torna-se ainda mais grave dado que os pais e a família foram desautorizados, e todos fazem tudo e ninguém se entende.
    Culpa-se o estado e os professores do estado das coisas...

    Lutei enquanto pude para dar aos meus filhos uma educação cuidada.
    Agora são maiores e a única coisa que me preocupa é continuar com uma conduta coerente com aquilo que lhes ensinei - dar sempre um bom exemplo.

    Parece que muitos pais se preocupam em ser "modernos" correndo o risco de até os filhos se envergonharem das suas figuras.Roupas, cabelos, filmes, danças....etc

    Tantas coisas que os pais deixam de lado declinando nos outros a sua responsabilidade(irresponsabilidade).Muitas coisas culpam a sociedade quando deveriam culpar-se aos próprios que não fizeram uma correcção ou um alerta no momento certo.

    ResponderEliminar
  2. Rogério
    Sobre os "10 mandamentos" não digo nada, está lá tudo.
    Sobre o ultimo paragrafo, só dá para dizer: POIS!
    Abraço

    ResponderEliminar
  3. Caro Rogério
    Infelizmente temos por este mundo fora muitos pais com esta mentalidade e os filhos assim o continuarão,ou pior, eu penso ter dado às minhas filhas uma educação com uma filosofia de vida muito razoavél com muita responsabilidade até porque a própria vida me obrigou que assim fosse, mas por vezes também se tem surpreas.
    Sobre a sua NOTA está tudo dito e percebido.

    Beijinho

    ResponderEliminar
  4. Rogerio, é sempre bom continuar batendo nesta tecla! Pais que acham que educar é dar tudo e passar a mão na cabeça o mundo está cheio, em mais de um sentido.
    bs
    Jussara

    ResponderEliminar
  5. Amigo Rogério:
    Estes dez mandamentos devem estar a ser mais aplicados do que julgamos.
    O resultado está no seu último parágrafo;-)
    Temos que rir para não chorar.

    beijinhos

    ResponderEliminar
  6. A minha vida profissional passou-se toda na área da Educação. As unicas funções que não desempenhei são as que se relacionam com cargos de confiança política (excepto quando integrei a Comissão de Menores da zona onde vivo).

    Como depreenderá, estes temas apaixonam-me .

    No início de carreira e de vida, estava convencidissima do poder dos modelso educactivos...infelizmente, fui obrigada a reconhecer que os educandos , por vezes, desviam-se por completo deles.

    Um abraço.

    ResponderEliminar
  7. Para todos os que queiram aprofundar o tema ou tenham como a São paixão associada a saberes, recomendo os meus posts referidos e a consulta do blogue "terrear", onde os temas de ensino e educação são superiormante tratados...

    http://terrear.blogspot.com/

    ResponderEliminar
  8. ROGÉRIO AMIGO...
    asssino em baixo de teu texto.
    afinal não, podemos criar seres frustrados,né\??? acabam virando politicos...
    kkkkkk
    realmente está faltando pulso e bons exemplos para que hajam cidadãos de bem.
    ótimo texto.
    bjuivos em seu coração luzitano.
    dias abençoados pra ti.
    loba.

    ResponderEliminar
  9. Só mais uma, já agora. Nunca lhe diga não, nunca lhe recuse nada que ele lhe peça. Mas, se de todo em todo não lhe puder satisfazer o capricho convide-o a bater-lhe porque não trabalha o suficiente para lhe satisfazer os caprichos. Compreenda que nenhum filho gosta de ter pais mandriões.

    ResponderEliminar
  10. O meu neto

    disse-me um dia

    que sendo verdades o que diz

    um dos papeis a desempenhar
    pelos filhos
    é ajudar a educar os pais

    ResponderEliminar
  11. Um assunto que vira e mexe ocupa as páginas dos jornais e tvs de várias partes do mundo.

    Bullyng, nada mais é do que a forma mais mais idiota de expressar da junventude. Abraço

    ResponderEliminar
  12. Só venho aqui para registar que os 10 mandamentos passam a ser uma dúzis deles:
    - o acréscimo do Carlos Barbosa de Oliveira
    - A dica dada pelo neto do Mar Arável, que podia passar a ter a seguinte redação:

    Não aceitar qualquer ensinamento ou sugestão dos filhos pois se assim saídos da casca os afastaria da convicção de pertencerem à geração rasca

    ResponderEliminar
  13. Rogério, essa receita é infalível, é mais do que certo que sairá daí uma coisinha boa.

    Abraço
    :))

    ResponderEliminar
  14. Pois eu rir-me-ia imenso se não fosse dramático.

    Enquanto trabalhava tive oportunidade de encontrar meninos assim educados e devo-vos confessar que não duravam tempo nenhum nos empregos. Ninguém queria trabalhar com déspotas, ditadores e mal-educados (tudo na mesma pesssoínha convencida de saber tudo mais do que os que já lá estavam e tinham ajudado a fazer as empresas).
    Se lá ficam muito tempo ajudam a dar cabo de tudo o que foi construído com amor e carinho.

    Ah! Já me esquecia... como não pactuava com os seus métodos iam fazer queixa de mim aos nossos superiores hierárquicos que, por sinal não lhes ligavam e os mandavam embora ao fim dos 6 meses de estágio.

    Será que assim se compreenderá porque a juventude actual fica mais tempo desempregada do que a da minha geração?

    Beijossssss

    ResponderEliminar
  15. Rogerio,

    Queria escrever sobre este tema, mas apos ler seu texto vi que tudo que eu queria dizer estava aqui.
    Com a sua permissão, gostaria de trancreve-lo no meu blogue, dando lhe os creditos devidos, naturalmente.

    Um abraço

    ResponderEliminar
  16. E os resultados já podemos ver nessa geracao toda desenfreada e sem nenhuma educacao.

    Parabéns pelo texto.

    Aqui em casa a Saia é beeeeeeeeeeeem Justa na educacao dos filhos e muitas das vezes ouvimos que nao deveríamos ser tao rigorosos.

    Parabéns pelo texto.


    Abracos

    ResponderEliminar
  17. Sei bem o que é bulling...não é coisa nova. Eu o sofri em meus tenros anos. Eu tenho lábio leporino e crianças podem ser bem malvadas. Para não ser excluída, os surpreendi e conquistei-os, e acabei saindo-me bem. Mas não me queixo. Isso, de uma certa forma, me ajudou a formar-me e não de forma negativa ou pejorativamente falando.
    Entretanto, outros não tem tanta "sorte". Acho que teu texto é perfeito.
    Beijokas.

    ResponderEliminar