14 novembro, 2010

Homilias dominicais (citando Saramago) - 15

Foram os seus caminhos que inspiraram estes outros, meus,
por onde vou navegando à procura de quem somos

A dialética é um instrumento poderoso e, talvez por isso nos tempos que vão correndo, ausente e quase clandestino como método do entendimento do mundo. Assumi essa ferramenta como metodologia de reflexão. Tese, antítese e síntese assumem a forma de partes de mim em diálogo constante. Mas não só. Encararei, do mesmo modo, que qualquer pessoa e um qualquer colectivo também estarão repartidos entre aquilo que pretendem, aquilo que contraria tal pretensão e, por último, por aquilo que determina o ser, o fazer, o estar, o sentir... (e que, por facilidade de expressão, designo por alma). Tudo isto para desvendar o que seja essa coisa "estranha, rara e misteriosa que é um sentimento". Sentimento das pessoas e dos povos.

HOMILIA DOMINICAL

"Se olharmos as coisas de perto, na melhor das hipóteses chegaremos à conclusão de que as palavras tentam dizer o que pensámos ou sentimos, mas há motivos para suspeitar que, por muito que procurem, não chegarão nunca a enunciar essa coisa estranha, rara e misteriosa que é um sentimento."

José Saramago, in Novos Cadernos de Saramago

Julgo que Saramago não queria afirmar uma impossibilidade mas sim lançar um desafio para que se procurem as palavras adequadas. Aceitei-o escrevendo "Caminhos do Meu Navegar"