25 setembro, 2012

Exportações: Augusto Mateus, Eugénio Rosa e a minha prosa...

Vão-se os anéis e os dedos... ficam as mentiras e os medos?

Ao ler hoje no Público o texto sobre o estudo de Augusto Mateus («Exportações, valor e crescimento») senti-me tentado em reler o que escreveu Eugénio  Rosa, num estudo seu («O milagroso "reajustamento externo" do governo e da troika». Batem um com o outro, e "bate a bota com a perdigota", como diria o outro:
 "Hoje, só 18,5% das actividades económicas são transaccionáveis, quando em 1995 esse valor estava nos 26,5%. ... Os sectores que poderiam contribuir mais para valorizar as exportações estão a perder a quota de exportações." - Augusto Mateus 
 "o aumento das exportações portuguesas está a ser feito, paralelamente, com a redução muito grande das exportações de bens de maior intensidade tecnológica e, por outro lado, por meio de aumento enorme da exportação de ouro (+ 403,5% entre 2007 e 2010) e por uma subida principalmente das exportações de bens de média, de média baixa e de baixa intensidade tecnológica." - Eugénio Rosa
Numa altura em que atenções estão (com razão) centradas no saque a quem trabalha, no assalto aos bolsos dos idosos, eu venho alertar para o real empobrecimento do país e para a destruição contínua da economia. Assim, não há saída (nem para pagar a dívida)