30 setembro, 2012

Homilias dominicais (citando Saramago) - 101

...dar atenção finalmente às plantas - essas nossas irmãs
.
"A alegoria chega quando descrever a realidade já não nos serve." escreveu não sei onde Saramago. Ele continua a inspirar cada homilia mas os tempos que vão correndo me obrigam a chamar a este lugar outros saramaguianos. Não, não se trata de virar costas a Saramago, mas sim dar atenção a quem (também) a merece e lhe segue os passos...

HOMILIA DE HOJE
- Era o que eu dizia a Vossa Excelência.
- Era.
- Um homem depois de cair pode ainda cair mais.
- A queda interminável, a queda infinita.
- Vossa Excelência dizia ser mais fácil esmagar um corpo já caído no chão. Era isso?
- Em pleno século XXI cair no chão com grande força e velocidade deve ser considerado uma grande oportunidade...
- Para ser esmagado?
- Sim, para ser esmagado.
- É.
- No fundo, repare Excelência... o que é esmagar um corpo senão uma incomparável delicadeza civil de fazer que um corpo que antes ocupava determinado espaço passe a ocupar menos espaço?
- Não entendi, Excelência: frase longa.
- Dizia: esmagar um corpo é apenas, no fundo, diminuir o volume de um corpo, diminuir o espaço que esse corpo ocupa.
- Ou seja, de um outro ponto de vista...
- De um outro ponto de vista: esmagar um corpo é alargar o espaço comum, o espaço da cidade.
- Por cada corpo esmagado, portanto, a cidade ganha espaço, metro quadrado. Enfim, até podemos utilizar esse espaço livre para construir espaços verdes. Que lhe parece?- Que bela ideia! Construir espaços verdes no lugar de...
- Abrir espaço na cidade através do esmagamento organizado dos diferentes corpos de cidadãos que por aí andam, aos caídos, por assim dizer... e, com esse espaço livre, começarmos a dar atenção finalmente às plantas - essas nossas irmãs. Isto é planeamento urbano... ou não?
- Sim, sim, claro.
- As nossas irmãs plantas.
- Nunca respeitei seres humanos que não respeitem os espaços verdes (...)
Gonçalo M. Tavares, hoje, no DN-Magazine