29 setembro, 2012

... e encheram ruas e caminhos até à Praça que, de cheia, trasvaza . Ecoaram vozes e as sombras tremeram (como não deixar de tremer?)...

15 e 59, e ainda vinha eu no inicio da Rua da Prata... o desfile duraria ainda mais de uma hora...
Nem pensem que me detenho a comparar esta com a outra, a outra com aqueloutra e esta com a próxima.. Nem pensar em comparar rostos, rugas, energias, alegrias, tristezas, desabafos, certezas, palavras de ordem e os decibéis colocados nos gritos gritados ou na cores dos gritos desenhados em milhares de improvisados painéis e panos pintados. Nem pensar... O que realmente há a destacar é que este meu povo está a acordar. O resto, ou é a desvalorização da importância da rua, ou o criar de clivagens num "dividir para reinar". E, nisso, não alinho e é preciso ninguém embarcar.

Nas manifestações (nesta e a na outra) são claros (e enérgicos) protestos à politica de desastre. São um apelo à mudança e ao regresso da esperança. Concordam?