10 setembro, 2010

«O modelo cubano já não funciona nem sequer para nós.»

A frase de Fidel de Castro, no contexto da entrevista divulgada, só pode ter por inspiração a conversa que tive com ele na sequência dos posts aqui editados sobre Moçambique. Reler Samora Machel e constatar o afastamento dessas ideias, obriga a rever orientações... Dizia-lhe eu, para lhe atenuar os efeitos de uma lucidez inesperada: "Cuba é uma pequena ilha, cercada de tudo o que pode cercar um povo e o socialismo não pode ser construído num só país... "

Fidel abraçou todos o lideres que foram esperança, numa África onde os interesses manobram e dominam com o apoio de novas elites. Na América do Sul a situação é complexa. Resta-lhe pouco tempo de vida. Pouco, mas o suficiente para seguir todos os ensinamentos, mesmo quando estes assumem a forma de parábola ou de uma metáfora:

"É preciso voltar aos passos que foram dados, para repetir e para traçar caminhos novos ao lado deles. É preciso recomeçar a viagem. Sempre."

José Saramago, in "Viagem a Portugal"

26 comentários:

mdsol disse...

Gostei da ironia amarga bem rematada pela frase do Saramago.

:))

Rogério Pereira disse...

MdSol,
Acabo de ler uma correção à interpretação dos jornalistas... Se Fidel não o disse (e quando esrevi o post, eu duvidava de que o tivesse dito)espero que sinceramente o pense. Acho duas coisas:
- uma está escrita, o socialismo dificilmente se afirmará num só país (Marx o dizia)
- outra, o cerco é tão grande que ou se "recomeça a viagem" e se "traçam caminhos novos" ou perder-se-ão todos os esforços do povo cubano que, acredito, ainda tem vivos os valores do socialismo...

ematejoca disse...

O Fidel de Castro está velho, doente e às portas da morte, portanto não se sabe ao certo, se foi mal interpretado ou se no seu íntimo, começa a duvidar da revolução cubana.
Ainda há pouco tempo pediu desculpas das barbaridades, que durante o seu governo, se fizeram aos homossexuais... vamos lá ver, as desculpas que ainda estão para vir!!!
O Saramago era comunista, mas se tivesse vivido num país com esse regime, tinha tido os mesmos problemas que teve no tempo da ditadura de Salazar.
Ditadura é ditadura, quer ela seja da esquerda ou da direita, e um espírito livre não aceita nenhuma delas.
O Marx também disse, que se podem fazer muitas revoluções, mas que o ser humano nunca se modifica.

Um sábado muito feliz na companhia da sua Teresa, e sem revolucões.

Anónimo disse...

Mudam-se os tempos, mudam-se as vontades...e as opiniões também.
Um bom fim de semana.

lolipop disse...

Meu querido amigo,
Tenho tido saudades suas, mas sei que anda empenhado em causas importantes. Vou passando sempre por aqui mesmo sem comentar. Hoje, 11 de Setembro, é um dia para se trazer á memória ditaduras como a de Pinochet, dia triste em que muitos, entre esses um amigo meu,"regressaram ao silêncio das estrelas de que somos feitos", era manhã nas Torres Gémeas...
Abraços

Rogério Pereira disse...

Ematejoca
Merece resposta detalhada pois cada Teresa é sempre por mim prendada:
- O Fidel de Castro está velho, doente e às portas da morte?
- EStá!
- Começa a duvidar da revolução cubana? Nem sequer os seus inimigos duvidam. O que está em duvida é a capacidade de resistencia e se há algo a fazer para repor os objectivos da revolução... O bloqueio a Cuba vencerá? O povo suportará fome e privações? Esta são as duvidas...
- Vamos lá ver, as desculpas que ainda estão para vir?
- Vamos!
- O Saramago num país com esse regime, tinha tido os mesmos problemas que teve no tempo da ditadura de Salazar?
- Não sei, mas vou perguntar ao Gabriel Garcia Marques e ao Chico Buarque de Holanda o que eles pensam disso...
- Ditadura é ditadura, quer ela seja da esquerda ou da direita?
- Sim, claro! Mas como se chama o regime que atinge os mesmos objectivos de uma ditadura sem recorrer ao odioso ditador? .
- Marx disse, que se podem fazer muitas revoluções, mas que o ser humano nunca se modifica?
- Certamente que está enganada. É a afirmação mais anti-marxista que li ultimamente

Um sábado igualmente muito feliz!

Rogério Pereira disse...

LOL

Mudam-se os tempos, mudam-se as vontades,
Muda-se o ser, muda-se a confiança;
Todo o mundo é composto de mudança,
Tomando sempre novas qualidades.

Julgo, se não me engano, que foi Marx quem escreveu isto. Ou se não foi, foi um poeta marxista prestando honras ao materialismo dialectico...

Boa?

Rogério Pereira disse...

lolipop,
Tive um ligeiro amuo...
Já passa!

Acho até que já me passou...

Beijo

lolipop disse...

AMUO???? Eu fiz alguma coisa de que não gostasse? Foi por lhe ter deixado o link da Marli?
Agora fiquei dazed and confused...
Mil desculpas sem saber bem porquê.
Sabe que o aprecio muito.
Abraço

polittikus disse...

O socialismo, já por si tem algumas utopias. então construi-lo numa só ilha isolada do mundo é a utopia mor...

Rogério Pereira disse...

Lolipop

Não fui eu que disse...
(foi essa sua consciência)
Sabe, quando chego
Leio-a
Faço um esforço para entender
Se gosto, premeio-a
Se discordo até posso dar-lhe uma tareia
Até mesmo repreender
O que não faço é falar de alhos
Enquanto disserta sobre bugalhos

Mas disse que já passou

Beijo

Rogério Pereira disse...

Polittikus
A utopia está cercada,
Dão-lhe um nome amargo,
Chamam-lhe embargo...

Abraço

Carlos Albuquerque disse...

Um abraço amigo, caro Rogério!
Cuba, Fidel e a Revolução.
Escreveu Saramago:
"Nem a história chegou ao fim, nem acabaram as revoluções. O meu optimismo contenta-se com estas certezas. O resto são dúvidas. Como? Quando? Onde? Isso não o sei, mas sucederá."
Sem o criminoso cerco à utopia que, como bem disse em resposta a um comentário,tem o amargo nome de embargo, o que seria hoje Cuba?
Afigura-se-me que, de há uns tempos para cá, Fidel deu início à segunda revolução, apontando novos trilhos para a caminhada do povo cubano.
Um abraço

Rogério Pereira disse...

Carlos,

Tenho que repetir o que disse,
sem reformular
é só para reforçar:

"Sem o criminoso cerco à utopia o que seria hoje Cuba?"

Abraço

maiuka disse...

Rogério,

De facto o embargo é criminoso. Quando Cuba foi assolada por um ciclone devassador (acho que foi o El niño) o governo cubano pediu aos EUA que levantasse pelo menos por seis meses o bloqueio, a fim de permitir a aquisição de medicamentos e instalações necessários às emergências de saúde pública, à recuperação das habitações, à reativação dos serviços públicos e da economia da ilha. Os governantes de Washington negaram-se a atender o pedido.

Isto é mais que criminoso!

Bom post e excelentes comentários.

Wanderley Elian Lima disse...

Olá Rogério
Demorou pra Fidel descobrir que esse modelo econômico está falido, e quem paga por isso é a população cubana, carente de tudo, até de dignidade.
Um abraço

Rogério Pereira disse...

Maiuka,

Ajudar pois, nessa circunstancia, seria um acto de humanidade. Contudo, julgo que Cuba dispensaria ajuda. Lembro que o bloquei foi imposto em 1962, o e reforçado em Outubro de 1992 pelo Cuban Democracy Act (ou “ lei Torricelli ”), que pretendia travar a expansão de novos motores da economia cubana, afectando as entradas de capitais e de mercadorias, por diversos meios, chegando ao ponto de interditar durante seis meses todo navio que tendo feito escala em Cuba quisesse atracar em porto dos Estados Unidos e a impor sanções às empresas sob a jurisdição de Estados terceiros que tenham negócios com a ilha.

Não fosse isso...

Rogério Pereira disse...

Caro Wanderley

Pode ler o comentário de Carlos Albuquerque e a minha resposta a Maiuka...

Não vejo que o povo cubano tenha perdido a dignidade. Porque diz isso?

Abraço

ariel disse...

Rogério,
Cuba está a mudar. Lentamente com mais ou menos "más interpretações" das entrevistas e palavras de Fidel, mas está a mudar. É minha convicção que Fidel não quer morrer e deixar Cuba no estado em que está, bloqueada, pobre e sem saída. As palavras de Saramago querem dizer exactamente que é preciso recomeçar novamente mas para percorrer novos caminhos por forma a não repetir os mesmos erros. É o que eu penso.

Beijinho

Isa GT disse...

O homem tem como base da sua sobrevivência viver em sociedade, as ideologias já não conseguem resolver, nem metade dos problemas da humanidade, mas temos que ter uma consciência social onde todos se têm de preocupar com todos e não deixar ninguém abandonado à sua sorte.
Uns podem até ter mais do que outros mas nunca pela via do roubo, ou da exploração dos mais fracos e o grande problema actual, é pensar que todos os meios justificam os fins, o que será uma utopia maior que o próprio comunismo.
Pode-se ficar horas a desfiar palavras, mas uma coisa eu sei, ainda bem que não somos eternos, se, com um tempo limitado de vida, o ser humano é tão ganancioso e velhaco para com os da sua própria espécie, nem imagino se fossem eternos.
Há coisas que nem peciso de as compreender através de ideologias mas através do Bom Senso e da consciência que, infelizmente, alguns parecem não ter.

Bjos

Rogério Pereira disse...

Parece-me que terá de ser assim
Cara Ariel,
Fidel tem uma energia que surpreende a própria natureza. Ele considera-se vivo e... vive! (contráriamente, outros consideram-se mortos e vão morrendo, gesticulando e berrando, estão mortos. Estão mortos, por dentro)

Beijo

Rogério Pereira disse...

Isa,
Acho que não percebi o seu fio de raciocinio...
O homem tem como base da sua sobrevivência viver em sociedade? Claro, só que alguns homens o fazem em Sociedade Anónima. Não sendo eternos passam por herança o muito que lhes encheu a pança. Terras e Propriedades, Contas Offshore e até Cidades... Crescem e contaminam, fazendo crescer à sua volta outros homens a quem chamam "boys", e eles todos aparentam bom ar. São heróis.
As ideologias já não resolvem? Sei lá, meu pai não me deixou em testamento nenhuma bandeira. Fui eu que peguei nos cacos da minha memória e reconstruí a história: lutar pela sobrevivencia é ficar na orla da floresta mas em plena selva...

Ainda andam canções por aí...e acho que a Isa é humana e pouco velhaca... (talvez apenas abuse dum doce ou de uma ou outra travessura)

Beijo

ematejoca disse...

11 de Setembro de 1867: Publicado "O Capital", de Karl Marx

Rogério Pereira disse...

Teresa
Minha Teresa
Tinha que ser
Que por ti fiquei a saber...
Sabes outra coisa?
A imagem de Brecht inspira-se em Marx... Só Marx inspira a violência que as margens desencadeiam nas águas revoltas de um rio...

Outra coisa: ESTES COMENTÁRIOS PERTECEM AO POST ACIMA!

Fernanda disse...

Amigo Rogério!

Não posso deixar de comentar este post!

Fidel Castro poderá ter dito essa frase e ter tido a noção exacta do que pretendia transmitir. Não sei em que contexto a usou...

Sei/Sinto, recuso-me a aceitar que o tenha dito por desilusão.

Sei ainda que, Fidel Castro, será eternamente reconhecido como um símbolo de resistência e de luta por uma ideologia justa e de igualdade. Não,não foi utopia!!!

Cuba sobreviveu a um bloqueio de todos os "Ianques" deste Mundo, graças a Fidel Castro.

Beijinhos

Rogério Pereira disse...

Querida Amiga

Respondo-te com as´sábias palavras do Carlos Albuquerque:

"Nem a história chegou ao fim, nem acabaram as revoluções. O meu optimismo contenta-se com estas certezas. O resto são dúvidas. Como? Quando? Onde? Isso não o sei, mas sucederá."
Sem o criminoso cerco à utopia que, como bem disse em resposta a um comentário,tem o amargo nome de embargo, o que seria hoje Cuba?
Afigura-se-me que, de há uns tempos para cá, Fidel deu início à segunda revolução, apontando novos trilhos para a caminhada do povo cubano."

Beijão