22 setembro, 2010

O Diário de Notícias trata Cavaco Silva como um "namban-jin" e, a continuar assim, terá a eleição assegurada...

Quando olho o mar, por força deste, o meu pensamento recua a séculos passados. A minha capacidade de ver nesses tempos, dá-me o nítido detalhe das águas a abraçar cascos de esquadras de todo o tipo de navios de construção lusa, partindo de portos fervilhando de gentes. Eramos os agentes da primeira globalização, os "japões" chamavam-nos namban-jin...

Folheio ainda distraídamente o Diário de Notícias de hoje, apenas atento a uma ou outra foto. Paro numa página, onde o título me belisca como que dizendo, "pá, isto é material para o teu post de hoje". Por cima de uma foto institucional do Presidente da Républica", leio: "PR quer investimento nos portos e auto-estradas do mar". Com as minha antenas despertas, leio a notícia:

  • "Portugal tem tudo a ganhar em influenciar Bruxelas e a Comissão neste domínio", sublinhou, referindo igualmente a necessidade dos portos nacionais se modernizarem e praticarem taxas de utilização mais competitivas".
  • "... os problemas crónicos de organização e competitividade dos portos portugueses ainda não estão verdadeiramente solucionados e há ainda "muito trabalho a fazer". Cavaco defendeu novos rumos que permitam a "exploração cabal" do mar, com políticas públicas destinadas a fomentar o investimento privado nos sectores marítimos, com novos investimentos no cluster marítimo e com mais investigação. "

Mas então sempre nos podemos virar para o mar? A jornalista não contextualiza? Não dá uma panorâmica de cada um dos sub-sectores? Faz passar o discurso de alguém que andou por aquelas andanças sempre de costas viradas para o Atlantico, assim?. Eu até acho que olhou para o mar, pois foi a partir de 1982/3 que começou o declinio de todas as nossas frotas...

Não. Este não é homem de olhar para o nosso passado e o merecer. Este não é aquele reune condições para seguir o conselho do embaixador Akira Miwa para fazer-mos uma vaquinha com o Japão, Brasil e Angola. Este não é um namban-jin. Ou será? O DN, não esclarecendo, faz o pagode acreditar que seja. Assim, terá a eleição assegurada. Para o nele se votar, nada como falar do mar...

O gráfico representa o número de embarcações totais registadas. Portugal
terá perdido, em 29 anos, quase 60% da frota total (pesqueira e de transportes) - fonte:PorData

16 comentários:

  1. Amigo Rogério!

    Cavaco? Ohmigosh!!!
    Diz-me que não, por favor!!! Já chega!!!
    Será que este povo não abre os olhos, nem só de vez em quando???

    Vou dormir e depois desta leitura, sei que terei um sono agitado.
    Vejo vampiros!!!

    Beijinhos

    ResponderEliminar
  2. Caro Rogério

    Ainda bem que se dedica, a lembrar, assuntos desta natureza. Foi de facto na década de 80 que começaram a vir dinheiro às paletes, para Portugal mas não de barco. Foi criminoso o que se fez. Pagou-se para deizar de pescar e reduzir outras actividades ligados ao mar. Claro que não se ficou por aí. ainda me lembros dos seus "giracídios"

    A questão é quem estava nos governos e quem os chefiava? Eu lembro-me bem de alguns. Será que a memórias dos povos é assim tão curta?
    Temos mesmo que "vir para a rua gritar" usando os meios à nossa disposição.
    Abraço

    ResponderEliminar
  3. É o problema com o mar: quem não sabe nadar afunda-se!

    Há outro problema: os cintos-de-salvação ´vão sempre para os mesmos...

    Abraço,
    António

    ResponderEliminar
  4. Pois é ...
    Será que ele se esqueceu que pagou para abater as frotas, as fabricas e deixar as nossas terras terras ao abandono...??
    Não acredito em uma só destas frases para iludir o Zé Povinho.
    Há-de pagar no inferno por muitos males que nos fez e continua.......

    ResponderEliminar
  5. Amigo Rogério:
    Será que ainda alguém acredita nele?
    Ainda à pouco tempo falava da agricultura, agora do mar...eu que até nem percebo nada de politica, sei que ele foi um dos causadores do estado actual da nossa agricultura e pesca.
    O homem anda completamente alucinado e pior, pensa que somos todos parvos.
    Não conhecia esta expressão "namban-jin" as coisas que eu aqui aprendo.

    Beijinhos

    ResponderEliminar
  6. Ele quer olhar o mar, mas só não sabe como porque isto de ficar... a ver navios, isso já sabemos e estamos habituados ;)

    Bjos

    ResponderEliminar
  7. Meu caro Rogério,
    Infelizmente só um cataclismo faria com que Cavaco não fosse reeleito. Gostava que não, mas vai ser um passeio...

    ResponderEliminar
  8. Tem razão Rogério, até parece que toda a imprensa está com ele. Os textos são favoráveis e as fotos parecem encomendadas.A capanha está-lhe a correr de feição!

    Não vejo ninguém denúnciar isso.

    Beijo

    ResponderEliminar
  9. Faltam alguns meses meus amigos. Comigo em campo, não há imprensa que lhe valha...

    A questão é que ele está a tocar em aspectos sensiveis. A economia do mar está aí e pouco ou nada foi feito...

    ResponderEliminar
  10. E se nós os namban-jin, nos fizéssemos samurais?
    Talvez assim o citado elemento e mais uns quantos, tivessem a dignidade de cometer seppuku...ou pelo menos de se afogar...no mar.
    Abraço

    ResponderEliminar
  11. Cavaco?

    Mais desejado por Sócrates

    que por Passos Coelho

    ResponderEliminar
  12. lolipop

    Nomeio-a minha conselheira. Nunca pensei chegar a desejar seguir tal conselho: ser samurai

    Beijo

    ResponderEliminar
  13. Puma,

    A principio, custava-me a admitir a hipótese. Custa-me menos agora...

    ResponderEliminar
  14. Então pelo visto, os amigos em Portugal sofrem do mesmo mal que temos no Brasil... os olhos tapados para o que se acontece n país... que triste isso.

    ResponderEliminar
  15. Caro Rogério

    O pior que podia ter acontecido a este país foi ter tido o CS como primeiro ministro naquela altura. Teria sido sempre mau, mas naquela altura, foi péssimo. A sua reconfirmação no cargo de PR é sintoma do estado a que isto chegou.

    :)))

    ResponderEliminar
  16. Que injustiça...
    O homem merece um lugar no vaticano, se não fosse ele e os vassalos da politica dele, o que seria de nós...
    Era uma chatisse olharmos para o mar e ver barcos a vir da pesca, olhar para o campo e ver os campos cultivados... entrar em um supermermercado e ver produtos produzidos em Portugal, ver carruagens fabricadas pela sorefame em portugal (agora é mais giro, vem tudo da Alemanha, produzido pelas empresas que fizeram a falência da Sorefame, é muito mais in)...
    Que chatisse que seria...
    Não aguentaria ver as empresas que foram privatizadas, com um custo simbolico, a gerar lucros para o estado e a poupar oa bolsos ao povão...
    Mas alguma vez conseguiriamos viver sem ver as nossas estradas cheias de camiões estrangeiros, a entrarem no oasis do nosso Pais carregadinhos de divida externa...
    Este Pais seria um enorme tédio...

    ResponderEliminar