22 setembro, 2010

O Diário de Notícias trata Cavaco Silva como um "namban-jin" e, a continuar assim, terá a eleição assegurada...

Quando olho o mar, por força deste, o meu pensamento recua a séculos passados. A minha capacidade de ver nesses tempos, dá-me o nítido detalhe das águas a abraçar cascos de esquadras de todo o tipo de navios de construção lusa, partindo de portos fervilhando de gentes. Eramos os agentes da primeira globalização, os "japões" chamavam-nos namban-jin...

Folheio ainda distraídamente o Diário de Notícias de hoje, apenas atento a uma ou outra foto. Paro numa página, onde o título me belisca como que dizendo, "pá, isto é material para o teu post de hoje". Por cima de uma foto institucional do Presidente da Républica", leio: "PR quer investimento nos portos e auto-estradas do mar". Com as minha antenas despertas, leio a notícia:

  • "Portugal tem tudo a ganhar em influenciar Bruxelas e a Comissão neste domínio", sublinhou, referindo igualmente a necessidade dos portos nacionais se modernizarem e praticarem taxas de utilização mais competitivas".
  • "... os problemas crónicos de organização e competitividade dos portos portugueses ainda não estão verdadeiramente solucionados e há ainda "muito trabalho a fazer". Cavaco defendeu novos rumos que permitam a "exploração cabal" do mar, com políticas públicas destinadas a fomentar o investimento privado nos sectores marítimos, com novos investimentos no cluster marítimo e com mais investigação. "

Mas então sempre nos podemos virar para o mar? A jornalista não contextualiza? Não dá uma panorâmica de cada um dos sub-sectores? Faz passar o discurso de alguém que andou por aquelas andanças sempre de costas viradas para o Atlantico, assim?. Eu até acho que olhou para o mar, pois foi a partir de 1982/3 que começou o declinio de todas as nossas frotas...

Não. Este não é homem de olhar para o nosso passado e o merecer. Este não é aquele reune condições para seguir o conselho do embaixador Akira Miwa para fazer-mos uma vaquinha com o Japão, Brasil e Angola. Este não é um namban-jin. Ou será? O DN, não esclarecendo, faz o pagode acreditar que seja. Assim, terá a eleição assegurada. Para o nele se votar, nada como falar do mar...

O gráfico representa o número de embarcações totais registadas. Portugal
terá perdido, em 29 anos, quase 60% da frota total (pesqueira e de transportes) - fonte:PorData