01 setembro, 2010

Estratégias de manipulação - 3 (Um texto pode ser isento, uma imagem nem sempre)

As Estratégias de Manipulação referidas nos dois posts anteriores eram 10. Pensava-se que eram apenas 10 desde que Guntenberg inventou a produção da manipulação sob a forma escrita. Mas há mais e também não me cabe a mim o mérito de o ter descoberto. Acho até que acordei tarde para esta técnica de fazer passar mensagens subliminares que nos vão ficando na "mona" deixando-nos uma impressão forte que, embora não se consiga racionalizar , nos vai moendo o juízo.
Acordei para essa percepção no dia 21 de Novembro do ano passado, ao ler o semanário Expresso. As imagens, em excelentes fotos, transmitiam-me uma sensação geral de grande incomodidade. A reacção podia ser: "Este mundo é uma grande merda, não leio mais jornais..." ou então "Rogério, safa-te, este mundo é uma merda". Aparentemente iguais, estes comportamentos possíveis são muito diferentes. No primeiro caso, impele-me para a hibernação cívica, para a desistência. No segundo, incita-me a usar em benefício próprio o mal estar geral e a utilizar a cultura de semanário para as minhas lutazinhas políticas ou para outros fins, uns velhacos outros nem tanto.

Mas a manipulação da mente não se dá apenas pela impressionismo global na ilustração de um jornal. Se olhar-mos as imagens dos rostos que ideia nos fica a pairar na caixa dos pirolitos? Que Manuel Alegre precisa é de sopas e descanso? Que Mário Lino estaria para sempre embaçado pelo pó do deserto? Se não isso, o quê afinal?

Agora vejam as imagens que ilustram o DN de hoje. Que pensar? Quem tira a foto e quem depois a selecciona são pessoas. Elas gostam ou não dos fotografados? Os textos são de aparente isenção. As fotos não!

Com este post, termino esta série. Significa isso que, a partir de hoje, estou pronto para identificar em qualquer jornal as diferentes estratégias de manipulação. Irei fazê-lo num período em que se luta pelo lugar de Presidente da República. Pode não ter grande eficácia, mas julgo que é a maneira de eu próprio não me deixar manipular...

5 comentários:

  1. Esse post é mais um dos seus excelentes posts, que nos fazem refletir.
    Aqui a guerra manipulativa está em total atividade. Textos não dizem, imagens falam tudo. Campanha presidencial. Cada jornal valoriza seu candidato e ao mesmo tempo que difama ou denigre a imagem do rival com imagens.

    E os exemplos são gritantes. Um candidato sorrindo, com um monte de gente sorrindo ao redor. O outro discursando de cara emburrada e sozinho. E assim vai.

    O papel do jornal parece branco, mas é beeeeeeeem marrom.

    abraços meu querido amigo!

    ResponderEliminar
  2. Caro Rogério

    Nunca a expressão "deu a volta ao texto" me pareceu tão bem aplicada.
    Neste caso não deu a volta, usou-o duma forma entremamente clarificadora e inteligente, conseguindo fazer-nos ver coisas que lá estavam e lendo apenas não percebíamos.
    Abraço

    ResponderEliminar
  3. Excelente série. Temos que ficar atentos, não só com políticos mas em toda nossa vida, em casa, com os relacionamentos, porque todos têm tendências a manipuladores.
    Abração

    ResponderEliminar
  4. Fim da Cidadania Infantil!
    'Vira o disco e toca o mesmo' - vulgo eleições antecipadas atrás de eleições eleições antecipadas - não é solução!...
    A democracia directa também não é solução...
    Os cidadãos não podem ver os políticos como um 'paizinho'... devem, isso sim, é exigir maior fiscalização e controlo sobre a actividade política!
    De facto, quem paga - leia-se, contribuinte - tem de ter um maior controlo sobre a forma como é gasto o seu dinheiro!
    EXPLICANDO MELHOR: todos os gastos do Estado que não sejam considerados de «Prioridade Absoluta» [nota: a definir...] devem estar disponíveis para ser vetados durante 48 horas pelos contribuintes [nota: através da internet].
    Para vetar [ou reactivar] um gasto do Estado deverão ser necessários 100 mil votos [ou múltiplos: 200 mil, 300 mil, etc] de contribuintes.

    Resumindo e concluindo: não se queixem do facto de estar a ser mal gasto dinheiro do Estado: abram os olhos... e vetem!

    ResponderEliminar
  5. Muito bem Rogério. Sabe, também "olho" muito para as imagens escolhidas. Aliás, julgo que, muitas vezes, a imagem é o elemento mais poderoso da estratégia!

    :)))

    ResponderEliminar