05 dezembro, 2012

Joaquim Benite - In memoriam (1943 - 2012)

Os nossos valores são os valores que copiámos e os que nos foram dados...
A construção do nosso carácter tem muito que se lhe diga e hoje as palavras são parcas. Conheci-o no Diário de Lisboa e não sabia o que mais lhe admirava, se a alegria de estar, se a irrequieta escrita, se o humor, se a sensibilidade, mas certamente os valores e a sua frontalidade. Até acontecer partilharmos a viagem de regresso de um histórico congresso, apenas nos cruzávamos nas escadas daquele velho edifício da Luz Soriano, sede do jornal. Depois disso, passámos a cruzar-nos e a trocar um sorriso em que nossos olhares expressavam um (quase sempre) silencioso "olá". Deixá-mo-nos de ver,  mas segui sempre o seu percurso, que outros amigos hoje (tão bem) recordam. 

Joaquim Benite, uma referencia da minha juventude. Deixou-nos, mas jamais o esquecerei...

10 comentários:

São disse...

Que vá em paz!

O Puma disse...

Não deixemos morrer os nossos mortos

manuela baptista disse...

um homem que amava o teatro!

faz sempre muita falta


um abraço

Anónimo disse...

Caro Rogério
Soube através de um tio meu que Joaquim Benite estava mal Pneumonia).
Semanas depois, fui informado que estaria ligeiramente melhor, apesar de agarrado a uma cadeira de rodas.
Como não ando muito ligado ao Teatro Municipal de Almada, perdi o rasto à falta de saúde de Benite.

Foi agora, hoje e aqui, que tomei conhecimento do triste desenlace.
Corri para o 'site' da CMA e lá está.

Nunca convivi de perto com Joaquim Benite mas reconheço a obra enorme que durante muito tempo espalhou pela cultura em Portugal.

Que R.I.P.

jrd disse...

Referência da Juventude até hoje e até sempre.

folha seca disse...

Caro Rogério
Repito um comentário que já hoje li.
"Partem os melhores e os F.d.P ficam.
Abraço solidário.
Rodrigo

Sandra Subtil disse...

Não morre nunca quem vive no nosso coração.
Abraço

Carlos Barbosa de Oliveira disse...

Não o conheci, mas conhecia o seu trabalho através de amigos da Câmara de Almada, que não lhe poupavam elogios.

Fernando Ribeiro disse...

Mais ou menos entre 1975 e 1980 estive algumas vezes com Joaquim Benite, que vinha ao Porto com muita frequência. Confesso que nunca falei muito com ele, mas recordo a sua paixão pelo teatro e o entusiasmo que demonstrava pela sua companhia de Campolide/Almada. A sua morte é uma grande perda para a Cultura.

Lídia Borges disse...


"Os nossos valores são os valores que copiámos e os que nos foram dados..."

Legado a guardar e a repassar como tesouro maior.