03 dezembro, 2012

Mark Twain e o Congresso do PCP

"Bastava que Portugal tivesse um governo patriótico ao serviço do povo e do país. 
Não só (a banca) aguentava como financiava a economia nacional." - Carlos Carvalhas
"Um Banco é como um tipo que nos empresta o chapéu-de-chuva quando está sol e que o pede assim que começa a chover". Mark Twain produziu esta afirmação em mil oitocentos e tal e não teria lido o Capital. Não tendo certamente lido nenhum dos escritos de Marx, seu contemporâneo, ele já sabia que os bancos tinham (e gozavam) um estatuto singular e especulativo mas não teria, da banca (e do seu poder), a visão que, poucos anos mais tarde, se passou a poder ter como instrumento fundamental do funcionamento do capitalismo. 
E o que é que isto tem a ver com o Congresso? O melhor é ver 

3 comentários:

jrd disse...

E apesar disso h+a sempre que alguém insiste em estar sempre do lado da maioria, é porque chegou a hora hora de parar e reflectir.
(variações sobre Mark Twain)

Abraço

folha seca disse...

Caro Rogério
Apesar do comentário (admito que de mau gosto) que lhe deixei ontem num outro sitio, não tenho duvidas que o PCP (e o seu conjunto de especialistas) faz uma análise correcta e devidamente documentada da situação.
As minhas duvidas são outras. Não basta fazer o diagnóstico certo. É necessário encontrar o tratamento adequado.
Abraço
Rodrigo

São disse...

A Banca é uma sanguessuga autorizada, que em plena crise ainda (me ) envia propostas de cartões não solicitados!

Tudo de bom.